Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/729
metadata.dc.type: Dissertação
Title: CONDIÇÕES CURRICULARES PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA INCLUSIVA: ESTUDO DE CASO EM ESCOLA ESTADUAL DE GOIÁS
Other Titles: CURRICULUM CONDITIONS FOR INCLUSIVE EDUCATIONAL PRACTICE: CASE STUDY IN GOIÁS STATE SCHOOL
metadata.dc.creator: Gonçalves, Jullyana Pimenta Borges
metadata.dc.contributor.advisor1: Felicio, Cinthia Maria
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Fernandes Sobrinho, Marcos
metadata.dc.contributor.referee1: Felicio, Cinthia Maria
metadata.dc.contributor.referee2: Ribeiro, Cristiane Maria
metadata.dc.contributor.referee3: Longhin, Sandra Regina
metadata.dc.description.resumo: Nesta pesquisa, objetivamos conhecer as práticas educativas promovidas para a inclusão de alunos com Necessidades Educacionais Especiais (NEE) em uma instituição de ensino público, da rede estadual de educação em Goiás, e a visão dos participantes sobre o potencial laboral destes alunos; bem como possibilidades para a futura inserção deles no mundo do trabalho. Para isso optou-se pela realização de pesquisa bibliográfica, documental e descritiva como orientação metodológica; um estudo de caso de abordagem qualitativa, como instrumentos de coleta de dados, entrevista e questionário semiestruturados e pesquisa documental. Os sujeitos pesquisados foram os coordenadores pedagógicos, professores de apoio (PA) à inclusão e professores regentes (PR) que atuam no Ensino Médio, em salas com alunos público-alvo da educação inclusiva. Por meio da pesquisa documental, foi possível a verificação de que, no ano de 2019, a escola atende a 15 alunos com NEE. Quanto à formação docente, entre os 35 participantes, somente 10 têm cursos relacionados à educação inclusiva, assim, constatamos uma demanda por formação voltada à essa área. Quanto a visão dos participantes sobre o potencial laboral dos alunos com NEE, observamos que, apesar de admitirem que os estudantes têm potencial para tal ingresso, nem todos parecem se responsabilizar ante essa questão. Sobre as práticas educativas relatadas, ponderamos a necessidade de ampliação das adequações curriculares para favorecer o aprendizado do aluno com NEE, e, além disso, ficou sinalizado um certo distanciamento entre professor e esse aluno, bem como entre PA e PR, o que denota uma desarticulação comprometedora do efetivo atendimento e aprendizagem do aluno. Diante do exposto, propomos a realização da Oficina pedagógica: (re)pensando a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais e formação para o mundo do trabalho, com o objetivo de promover um momento de formação e reflexão coletiva, em que os profissionais pudessem (re)ver conceitos importantes sobre a Educação Inclusiva e sobre mundo do trabalho na perspectiva de emancipação do sujeito. Foi possível apresentar conceitos importantes envolvendo as bases conceituais da educação profissional e tecnológica, discutir sobre a valorização das potencialidades dos alunos com NEE, necessidades de adequações curriculares e pensar aspectos das práticas pedagógicas que contribuiriam para o desenvolvimento de todos os alunos e assim colaborar com a futura construção de itinerários formativos de educação profissional e tecnológica, a ser implementado na escola pesquisada, conforme previsto na BNCC.
Abstract: The research aimed to know the educational practices promoted for the inclusion of students with Special Educational Needs (SEN) in a public school of the state of Goias and the view of participants about the potential of these students for the working market. For that matter it was decided to carry out bibliographical, a documentary, and descriptive research as a methodological orientation. It is a study case of a qualitative approach such as instruments for data collection, semi-structured interviews, questionnaires, and documentary research. The individuals surveyed were the pedagogical coordinators, special needs teachers, and high school teachers in a classroom with students target audience with an inclusive education. Through documentary research it was possible to verify that in 2019. The school assists 15 students with SEN. In terms of teach education, among the 35 participants only 10 have courses related to inclusive education. Thus, we have found a demand for training focused on this particular area. Regarding the participants view of the working potential of students with SEN we observe that. Although admitting that students have the potential for such admission, not all were co-responsible with this issue. The reported educational practices we considered the need to expand the curriculum adaptations to favor the learning of students with SEN. Furthermore, a distance between a teacher and a student was signaled, such as between special needs teachers and leading teachers, which denotes a compromising disarticulation of the effective attendance for the students and their learning. In the face of the current situation we propose the realization of Pedagogical Workshop, rethinking the inclusion of students with special educational needs and employment training. The objective is promoting a moment of formation and collective reflection in which professionals could reconsider important concepts about inclusive education and the world of labour from the perspective of emancipation of the individual. It was possible to present important concepts involving the conceptual basis of vocational and technological education discussing the appreciation of the potential of the students with SEN needs of curricular adaptations and think aspects of pedagogical practices that can contribute to the development of all students. This way it is possible to collaborate with the future construction of training itineraries for professional and technological education to be implemented in the research school, as forseen in the Base Nacional Comum Curricular (BNCC) [Common National Curriculum Base]
Keywords: Formação Docente. Inclusão. Mundo do Trabalho. Necessidades Educacionais Especiais.
Teacher training. Inclusion. World of work. Special Educational Needs.
metadata.dc.subject.cnpq: CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO::TOPICOS ESPECIFICOS DE EDUCACAO
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Instituto Federal Goiano
metadata.dc.publisher.initials: IF Goiano
metadata.dc.publisher.department: Campus Morrinhos
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica
Citation: ALVES, Z. M. M. B.; SILVA, M. H. G. F. D. da. Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paidéia. Ribeirão Preto, n. 2, p. 61-69, jul. 1992. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X 1992000200007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 Jan. 2018. ANTUNES, C. As inteligências Múltiplas e seus estímulos. Campinas, SP: Papirus, 1998. ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 2009. ARANHA, M. S. F. (org.). Estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial: SEESP/MEC, Brasília, 2003. BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. de. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. B. Tec. Senac, Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p.48-67, mai./ago. 2013. BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 20 de dezembro de 1961. Disponível em: <http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L4024.htm>. Acesso em: 15 set. 2018. _______. Lei no 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: <http://www .planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5692.htm>. Acesso em: 15 set. 2018. _______. Constituição Federal de 1988. Diário Oficial da União, 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 16 mar. 2018. _______. Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: <http://www.planalto .gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm#art266>. Acesso em: 12 nov. 2018. _______. Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil _ 03/leis/L8213cons.htm>. Acesso em: 10 out. 2017. ________. Lei nº 9.394 de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996. Disponível em: <www.mec.gov.br/leis/ldb9394> Acesso em: 12 out. 2017. _______. Decreto 3.298 de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto /d3298 .htm>. Acesso em: jul. 2018. _______. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da República. Brasília, DF, 20 dez. 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/leis/l10098.htm>. Acesso em: 16 out. 2017. _______. Plano Nacional de Educação-PNE. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Ministério da Educação, Brasília: Inep, 2001. Disponível em: <ftp://ftp.fnde.gov.br/ web/fnde/plano_nacional_educacao.pdf> Acesso em: 25 jul. 2019. _______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB Nº 2, de 11 de setembro de 2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica / Secretaria de Educação Especial – MEC; SEESP, 2001. Disponível em: <http:// portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2018. _______. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm> Acesso em: 25 jul. 2018. ________. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf>. Acesso em: 28 jan. 2018. _______. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br /dmdocuments/rceb004 _09.pdf>. Acesso em: 28 jan. 2018. ________. Resolução CNS, nº 466, 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em: <http:// conselho.saúde.gov.br/resoluções/2012/Reso466.pdf> Acesso em: 20 jan. 2018. ________. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 07 jul. 2015. Disponível em: <http://www. planalto.gov.br/ccivil _03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm> Acesso em: 20 mai. 2019. _______. Lei nº 13.409 de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei de Cotas nº 12.711/2012. Dispõe sobre cotas para pessoa com deficiência nos Institutos Federais de Educação. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil _03/_ato2015-2018/2016/lei/L13409.htm> Acesso em: 10 de jan. 2018. _________. Lei 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera a Lei 9.394/96 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e 11.494/07 que regulamenta o FUNDEB e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 fev. 2017. Disponível em: <http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_ Ato2015-2018/2017/ Lei/L13415.htm> Acesso em: 25 mar. 2018. ________. Resolução nº 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Diário Oficial da União, DF, 22 nov. 2018. Disponível em: <http://novoensinomedio.mec.gov.br/resources/downloads/pdf/dcnem.pdf> Acesso em: 05 mai. 2019. BONI, V.; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em ciências sociais. Em Tese, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 68-80, jan. 2005. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/18027>. Acesso em: 05 ago. 2018. CARVALHO, R. E. Removendo barreiras para a aprendizagem. 10. ed. Porto Alegre: Mediação, 2011. ________________. Escola Inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2014. CIAVATTA, M. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. Trabalho Necessário, v. 3, n. 3, p. 1-20, 2005. Disponível em: <http://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/6122> Acesso em: 18 nov. 2017. CIAVATTA, M.; RAMOS, M. Ensino Médio e Educação Profissional no Brasil: dualidade e fragmentação. Retratos da Escola, Brasília, v. 5, n. 8, p. 27-41, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/ 45> Acesso em: 23 set. 2017. DELL-MASSO, M. C. S. Educação e trabalho: temas a considerar para inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. In: MIRANDA, T. G.; FILHO, T. A. G., (org.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 423-434. DIESEL, A.; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, Pelotas, v.14, n.1, p. 268-288, 2017. Disponível em: <https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&as _sdt =0%2C5&q =Os+princ%C3%Adpios+das+metodologias+ativas +de+ensino %3A+ uma+abordagem+te%C3% B3rica+&btnG=>. Acesso em: 27 jun. 2018. DOMINGUES, I. O coordenador pedagógico e a formação contínua do docente na escola. São Paulo: Cortez, 2015 FERREIRA, C. A. L. Pesquisa Quantitativa e Qualitativa: Perspectivas Para o Campo da Educação. Revista Mosaico, v. 8, n. 2, p. 173-182, jul./dez. 2015. FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. FREITAS, A. P.; SILVEIRA, N. L. D. da. Ética na Pesquisa com Sujeitos Humanos: aspectos a destacar para investigadores iniciantes. Psicol. Argum. v.26, n.52, p. 35-46, jan./mar. 2008. Disponível em: <lCytV9OjwUkJ:www2.pucpr.br /reol/index. php/PA/pdf/%3Fdd1%3D1982+&cd=10&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=> Acesso em: 25 jan. 2018. FREITAS, C. B. D. de; HOSSNE, W. S. O papel dos Comitês de Ética em Pesquisa na proteção do ser humano. Bioética. Brasília, v.10, n. 2, p.129-146, 2002. Disponível em: <http://www.revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista _bioetica/ article/view/218/219>. Acesso em: 25 Jun. 2018. FRIGOTTO, G. A polissemia da categoria trabalho e a batalha das ideias nas sociedades de classe. Revista Brasileira de Educação, v. 14 n. 40, p.168-194, jan./abr. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a14> Acesso em: 10 out. 2017. GARCIA, R. M. C. Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 52, p. 101-239, jan.-mar. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v18n52/07> Acesso em: 07 jun. 2019. GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade (online), vol. 31, n. 113, out.-dez. 2010, p. 1355-1379. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=87315816016> Acesso em: 13 out. 2018. GHEDIN, E.; FRANCO, M. A. S. Questões de Método na Construção da Pesquisa em Educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2008. GOIÁS. Diretrizes operacionais da rede pública estadual de ensino de Goiás 2016/2017. Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte. Goiânia, 2016. HEREDERO, E. S. A escola inclusiva e estratégias para fazer frente a ela: as adaptações curriculares. Acta Scientiarum. Education. v. 32, n. 2, p. 193-208. Maringá. 2010. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codi go=4864783>. Acesso em: 20 jul. 2018. JESUS, D. M. de; EFFGEN, A. P. S. Formação docente e práticas pedagógicas: conexões, possibilidades e tensões. In: MIRANDA, T. G.; FILHO, T. A. G. (org.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 17-24. KAPLÚN, G. Material educativo: a experiência de aprendizado. Comunicação & Educação, n. 27, p. 46-60, 30 ago. 2003. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003. LEITE, P. de S. C. Produtos educacionais em mestrados profissionais na área de ensino: uma proposta de avaliação coletiva de materiais educativos. Investigação Qualitativa em Educação, v. 1, p. 330-339, 2018. Disponível em: <https://www .proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2018/article/view/1656>. Acesso em: 15 out. 2018. LEME, M. E. S. Deficiência e o mundo do trabalho: discursos e contradições. Campinas: Autores Associados, 2015. MANTOAN, M. T. É. O desafio das diferenças nas escolas. Rio de Janeiro: Vozes, 2009. __________________. Inclusão Escolar O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Summus, 2015. __________________; PRIETO, R. G.; ARANTES, V. A. Inclusão Escolar. São Paulo: Summus, 2006. MARSIGLIA, A. C. G.; MARTINS, L. M. Contribuições da pedagogia histórico-crítica para a formação de professores. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, p. 97-105, dez. 2013. Disponível em: <https://www. researchgatenet/publication/330487429_CONTRIBUICOES_DA_PEDAGOGIA_HISTORICO-CRITICA_PARA_A_FORMACAO_DE_PROFESSORES> Acesso em: 23 set. 2017. MARTINS, R. M. O princípio da dignidade humana na pessoa com deficiência na perspectiva do acesso ao trabalho. Caderno Espaço Inclusão. Brasília, v.1, n.1, p. 20-33, 2013. Disponível em: <http://revistaeixo.ifb.edu.br/index.php/editoraifb/ issue/view/31> Acesso em: 15 ago. 2018. MAZZEU, L. T. B. Pedagogia histórico-crítica e formação de professores: proposições e categorias. 31ª Reunião Anual da Anped, 2008. Disponível em: <http://www.anped.org.br/biblioteca/item/pedagogia-historico-critica-e-formacao-de-professores-proposicoes-e-categorias > Acesso em: 19 jun. 2019. MAZZOTTA, M. J. da S. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2011. MINAYO, M. C. de S. (org.). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. MOURA, D. H. Educação básica e educação profissional e tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração. Holos, v.2, p. 04-30, 2007. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=481549273001> Acesso em: 01 de jul. 2019. ____________; FILHO, D. L. L.; SILVA, M. R. Politecnia e formação integrada: confrontos conceituais, projetos políticos e contradições históricas da educação brasileira. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 63, p. 1057-1080, out./dez. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v20n63/1413-2478-rbedu-20-63-1057.pdf> Acesso em: 18 mar. 2019. MOUSINHO, R. et al. Mediação escolar e inclusão: revisão, dicas e reflexões. Rev. psicopedag., São Paulo, v. 27, n. 82, p. 92-108, 2010. Disponível em: <http://pepsic .bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862010000100010&lng=pt &nrm=iso>. Acesso em: 23 jun. 2019. NASCIMENTO, S. E. A educação professional: interfaces com a educação especial. In: DÍAZ, F. et al., (org.) Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas (online). Salvador: EDUFBA, 2009, p. 289-301. Disponível em: <http ://books.scielo.org>. Acesso em: 04 jul. 2019. OLIVEIRA, L. M. B. Cartilha do Censo 2010: Pessoas com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012. PADILHA, A. M. L.; OLIVEIRA, I. M. de (org.). Educação para todos: as muitas faces da inclusão escolar. Campinas: Papirus, 2013. PAVIANI, N. M. S; FONTANA, N. M. Oficinas pedagógicas: relato de uma experiência. Conjectura: Filosofia e Educação, Caxias do Sul, v. 14, n. 2, p. 77-88, maio/ago. 2009. PEDROSO, C.; SHINOHARA, M. H. Educação para e pelo trabalho: a inclusão da pessoa com deficiência intelectual no mercado de trabalho. Cadernos de pós-graduação em distúrbios do desenvolvimento, São Paulo, v.10, n.1, p.138-145, 2010. Disponível em: <http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgdd/article/ view/11200l> Acesso em fev. 2018. PIMENTA, S. G. Formação de professores: saberes da docência e identidade do professor. Nuances, v.3, p. 05-14, set. 1997. PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013. RAMOS, M. Concepção do ensino médio integrado. Secretaria de Educação do Estado do Pará- Seminário Proeja. 08-09 mai. 2008. Disponível em: <https://te cnicadmiwj.files.wordpress.com/2008/09/texto-concepcao-do-ensino-medio-integra do-marise-ramos 1.pdf> Acesso em: 18 mar. 2019. REDIG, A. G.; GLAT, R. Programa educacional especializado para capacitação e inclusão no trabalho de pessoas com deficiência intelectual. Ensaio, Rio de Janeiro, v. 25, n. 95, p. 330-355, abr. 2017. Disponível em: <http://www.scielo. br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362017000200330&lng=en&nrm=is o> Acesso em: 10 jan. 2018. RIBEIRO, M. A.; CARNEIRO, R. A inclusão indesejada: as empresas brasileiras face à lei de cotas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Organizações & Sociedade, Salvador, v.16, n.50, p. 545-564, jul./set. 2009. Disponível em:<https//rigs.ufba.br/index.php/revistaoes/article/view/11036>. Acesso em: 27 jul. 2018. RODRIGUES, D. Os desafios da Equidade e da Inclusão na formação de professores. Revista nacional e internacional de educación inclusiva, v. 7, n. 2, p. 5-21, jun. 2014. SASSAKI, R. Z. Inclusão: o paradigma do século 21. Inclusão: revista de educação especial, Brasília, p.19-23, out. 2005. SAVIANI, D. Trabalho e Educação: Fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v.12, n. 34, p.152-165, jan./abr. 2007. Disponível em: <www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a12v1234.pdf>Acesso em: 18 jan. 2018. ___________. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, jan./abr. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a12> Acesso em: 20 out. 2018. SEVERINO, J. A. Metodologia do Trabalho Científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007. SILVA, A. F. da; LEITE, T. S. Adequações curriculares e estratégias de ensino em turmas inclusivas: um estudo exploratório no 1º Ciclo. Invest. Práticas, Lisboa, v. 5, n. 2, p. 44-62, set. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.mec. pt/scielo. php ?script = sci_arttext&pid=S2182-13722015000200004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 01 jul. 2019. SILVA, M. D. O.; RIBEIRO, C.; CARVALHO, A. Atitudes e Práticas dos Professores Face à Inclusão de Alunos com Necessidades Educativas Especiais. Revista Portuguesa de Pedagogia, p. 53-73, mar. 2014. Disponível em: <https://impactum-journals .uc.pt/rppedagogia/article/view/1796>. Acesso em: 04 jun. 2019. SILVA, M. O. E. da. Educação Inclusiva: um novo paradigma de Escola. Rev. Lusófona de Educação, Lisboa, n. 19, p. 119-134, 2011. Disponível em: <http://www.scielo .mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-725020110003 00008&lng=pt&nrm= iso>. Acesso em: 04 mai. 2019. SILVA, M. R. da. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.34, p. 01-15, 2018. SOUZA, F. F.; VALENTE, P. M.; PANNUTI, M. O papel do professor de apoio na inclusão escolar. Educere: XII Congresso Nacional de Educação. PUC-Paraná, p. 26-29, out. 2015. Disponível em: <https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf 2015/17749_7890 .pdf> Acesso em: 20 jun. 2019. SOUZA, F. das C. S.; RODRIGUES, I. da S. Formação de professores para educação profissional no Brasil: percurso histórico e desafios contemporâneos. Revista Histedbr on-line, v. 17, n. 2, p. 621-638, abr./jun. 2017. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8644682> Acesso em: 15 nov. 2018. SOUZA, L. H. P; GOUVÊA, G. Oficinas pedagógicas de Ciências: os movimentos pedagógicos predominantes na formação continuada de professores. Ciências & Educação (online). Bauru, v. 12, n. 3, p. 303-313, dez. 2006. Disponível em: <http://w.redalyc.org/articulo.oa?id=251019510005> Acesso em: 01 jul. 2019. TEIXEIRA, M. O. A abordagem sócio-cognitiva no aconselhamento vocacional: uma reflexão sobre a evolução dos conceitos e da prática da orientação. Rev. Bras. Orientac. Prof, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 9-16, dez. 2008. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-339020080002 00003&lng=pt &nrm=iso>. Acesso em: 10 jun. 2019. TERRA, R. N.; GOMES, C. G. Inclusão escolar: carências e desafios da formação e atuação profissional. Revista Educação Especial, Santa Maria, p. 109-123, dez. 2012. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/ educação especial/article/view/ 5629> Acesso em: 08 jan. 2019. THESING, M. L. C.; COSTAS, F. A. T. As proposições de uma escola inclusiva na concepção de professores de educação especial: algumas problematizações. Rev. bras. Estud. pedagog., Brasília, v. 99, n. 252, p.277-293, maio/ago. 2018. UNESCO. The Salamanca Statement and frameworkfor action on special needs education: [Declaração de Salamanca]. Conferência Mundial sobre Educação para Necessidades Especiais: Acesso e Qualidade, realizada em Salamanca, Espanha, em 7-10 de junho de 1994. Genebra: Unesco, 1994. ______. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. UNESCO: Jomtien, 1990. VARGAS, T. B. T.; RODRIGUES, M. G. A. Mediação escolar: sobre habitar o entre. Revista Brasileira de Educação (online), v. 23, p. 1-26, 2018. Disponível em: <http://p.redalyc.org/articulo.oa?id=27554785078> Acesso em: 19 jul. 2019 VIEIRA, E.; VOLQUIND, L. Oficinas de ensino? O quê? Por quê? Como? 4. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002. VILARONGA, C. A. R.; MENDES, E. G. Ensino colaborativo para o apoio à inclusão escolar: práticas colaborativas entre os professores. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 95, n. 239, p. 139-151, abr. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-6681201400010000 8&lng=en&nrm =iso>. Acesso em: 10 ago. 2018 YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de Cristhian Matheus Herrera. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015. ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.rights.uri: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/
URI: https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/729
Issue Date: 5-Sep-2019
Appears in Collections:Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação_Jullyana Pimenta Borges Gonçalves.pdf1,77 MBAdobe PDFView/Open
PTE_Jullyana Pimenta Borges Gonçalves.pdfProduto Educacional vinculado à dissertação2,06 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons