Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/2409
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso
Title: RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO E TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO: "MEGAESÔFAGO CONGÊNITO EM HUSKY SIBERIANO - RELATO DE CASO"
metadata.dc.creator: Luiz, Geovana Camila
metadata.dc.contributor.advisor1: Louly, Carla
metadata.dc.contributor.referee2: Moreira, Maria Alice
metadata.dc.description.resumo: O megaesôfago, ou fraqueza esofágica, refere-se à hipomotilidade e dilatação esofágica de forma parcial ou total, que pode ser classificada em uma afecção primária, quando possui origem congênita ou idiopática e, secundária, quando é desenvolvida em decorrência de uma outra enfermidade já pré-estabelecida no organismo do animal. A forma congênita ainda não possui sua causa totalmente esclarecida, contudo os animais com esse distúrbio apresentam sinais clínicos característicos, como, por exemplo, a regurgitação, perda de peso e apetite voraz, logo nos primeiros meses de vida. O diagnóstico mais eficaz para o megaesôfago é a radiografia contrastada por bário, que permite ver principalmente, a dilatação do órgão. Em casos onde o megaesôfago tem causa idiopática, não existe cura e não há tratamento cirúrgico eficaz, sendo bastante importante o manejo dietético do animal, visando evitar que novos episódios de dilatação do esôfago ocorram e que haja retenção do alimento e que o animal consiga assim, ter uma boa qualidade de vida. O presente trabalho, tem como objetivo, relatar um caso de megaesôfago congênito em um filhote de 2 meses, de cão da raça Husky Siberiano, que é uma raça incomum para ocorrência desta doença. Foi solicitado exames radiográficos após o exame clínico do filhote e com o diagnóstico definido iniciou-se o tratamento para mudar o manejo alimentar do paciente e resolver o quadro de empanzinamento que foi apresentado por ele.
Abstract: Megaesophagus, or esophageal weakness, refers to partial or total esophageal hypomotility and dilation, which can be classified as a primary condition, when it has a congenital or idiopathic origin, and, secondary, when it develops as a result of another disease that has already been diagnosed. pre-established in the animal's organism. The congenital form still does not have its fully clarified cause, however animals with this disorder show characteristic clinical signs, such as, for example, regurgitation, weight loss and voracious appetite, in the first months of life. The most effective diagnosis for megaesophagus is barium contrast radiography, which allows to see mainly the dilation of the organ. In cases where megaesophagus has an idiopathic cause, there is no cure and there is no effective surgical treatment. , have a good quality of life. The present work aims to report a case of congenital megaesophagus in a 2-month-old Siberian Husky dog, which is an uncommon breed for the occurrence of this disease. Radiographic examinations were requested after the clinical examination of the puppy and, with the diagnosis defined, treatment began to change the patient's food management and resolve the condition of bloating that was presented by him.
Keywords: Megaesôfago
Megaesôfago Congênito
Fraqueza Esofágica
Hipomotilidade
Dilatação
Regurgitação
Caquexia
Manejo Dietético
metadata.dc.subject.cnpq: CIENCIAS AGRARIAS::MEDICINA VETERINARIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Instituto Federal Goiano
metadata.dc.publisher.initials: IF Goiano
metadata.dc.publisher.department: Campus Urutaí
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/2409
Issue Date: 22-Mar-2022
Appears in Collections:Bacharelado em Medicina Veterinária

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tCC_Geovana Camila.pdf1,66 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.