Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/1471
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso
Title: OS PROCESSOS HISTÓRICOS DA FEMINIZAÇÃO DA PROFISSÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE NO INTERIOR DO ESTADO DE GOIÁS
metadata.dc.creator: Azevedo, Lavine Jordane Queiroz
metadata.dc.contributor.advisor1: Firmino, Simone Gomes
metadata.dc.contributor.referee1: Ferreira, Gustavo Lopes
metadata.dc.contributor.referee2: Tadokoro, Ricardo Takayuki
metadata.dc.description.resumo: Para entender a história da educação é necessário compreender o processo histórico de desenvolvimento da educação. Dentro destes processos históricos, temos que foi a partir do século XIX, que ocorreu a inserção da mulher na educação, isso levou a ocorrência de uma acentuada maioria de docentes mulheres, fato observado até nos dias atuais na Educação Básica. Acarretando assim, a um fenômeno que aqui chamamos de “feminização da educação”, sendo este o alvo de nosso estudo. Este artigo, fundamenta-se em uma análise crítica acerca das modificações que se deram na carreira docente, tendo o objetivo de analisar como aconteceu a inserção e a presença histórica das mulheres na Educação brasileira. Para isso, realizamos uma pesquisa qualitativa nas cidades de Carmo do Rio Verde, Ceres e Rialma (estado de Goiás), com professoras que lecionam na Rede Estadual nas fases finais do Ensino Fundamental (6º a 9º ano) e no Ensino Médio. Empregamos os recursos de questionários e entrevistas com o formato semiestruturado para o levantamento de dados. Sendo assim, houve uma análise bibliográfica em conjunto com uma análise de conteúdo desenvolvida por Bardin, para avaliar os impactos da temática e para a discussão dos dados coletados. Ao todo, vinte professoras participaram da pesquisa, sendo: dezesseis professoras respondendo aos questionários e outras quatro através das entrevistas. Com a análise dos dados obtidos pela pesquisa, foi possível identificar que os laços que ligam as características femininas e as mudanças que ocorreram na sociedade com as mulheres buscando um ofício, influenciaram a inserção da mulher na carreira docente. Estes aspectos, aliados a saída dos homens da docência para outras profissões, que se mostravam mais vantajosas financeiramente, tiveram relação direta com o processo de feminização da docência. Por fim, a feminização da docência foi um processo importante para o protagonismo feminino a frente de uma profissão e que suas características distas como naturais são relevantes para a profissão.
Abstract: To understand the history of education it is necessary to understand the historical process of education development. Within these historical processes, it is from the nineteenth century, that the insertion of women in education occurred, this led to the occurrence of a large majority of female teachers, a fact observed even today in Basic Education. Thus resulting in a phenomenon that we call here the “feminization of education”, which is the target of our study. This article is based on a critical analysis about the changes that occurred in the teaching career, aiming to analyze how the insertion and the historical presence of women in Brazilian Education happened. For this, we conducted a qualitative research in the cities of Carmo do Rio Verde, Ceres and Rialma (state of Goiás), with teachers who teach at the State Network in the final stages of elementary school (6th to 9th grade) and high school. We used the resources of questionnaires and interviews with the semi-structured format for data collection. Thus, there was a bibliographic analysis together with a content analysis developed by Bardin, to evaluate the impacts of the theme and to discuss the collected data. In all, twenty teachers participated in the research, being: sixteen teachers answering the questionnaires and another four through the interviews. With the analysis of the data obtained by the research, it was possible to identify that the ties that link the feminine characteristics and the changes that occurred in the society with the women seeking a craft, influenced the insertion of the woman in the teaching career. These aspects, coupled with the departure of men from teaching to other professions, which were more financially advantageous, were directly related to the feminization process of teaching. Finally, the feminization of teaching was an important process for female protagonism in front of a profession and that its distinct as natural characteristics are relevant to the profession.
Keywords: Feminização. Docência. Processo histórico. Análise de conteúdo.
metadata.dc.subject.cnpq: CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO::FUNDAMENTOS DA EDUCACAO::HISTORIA DA EDUCACAO
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Instituto Federal Goiano
metadata.dc.publisher.initials: IF Goiano
metadata.dc.publisher.department: Campus Ceres
Citation: ALMEIDA, J. S. Mulheres no cotidiano: educação e regras de civilidade (1920/1950). Dimensões, vol. 33, p. 336-359, 2014. ALMEIDA, J. S. de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Ed. da Unesp, 1998. ALMEIDA, J. S. de. Mulheres na escola: Algumas reflexões sobre o magistério feminino. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 96, p. 71-78, fev.1996. ALVES-MAZZOTTI, A. J. Representações da identidade docente: uma contribuição para a formulação de políticas. Pesquisa em Síntese. Ensaio: aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 15, n. 57, p. 579-594, out/dez, 2007. BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. BRUSCHINI, M. C. A.; AMADO, T. Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa, n. 64, p. 4–13, 2013. CABRAL, F.; DÍAZ, M. Relações de gênero. In: Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte; Fundação Odebrecht. Cadernos Afetividade e Sexualidade na Educação: um novo olhar. Belo Horizonte: Gráfica e Editora Rona Ltda, p. 142-150, 1998. CARVALHO, M. P. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã, 1999. CATANI, D. B.; BUENO, B. O.; SOUZA, C. P. A vida e o ofício dos professores. São Paulo: Escrituras, 2000. CAMBI, F. História da pedagogia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP (FEU), 1999. CHAMON, M. Trajetória de Feminização do Magistério: ambiguidades e conflitos. Belo Horizonte: autêntica/FCH-FUMEC, 2005. CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2006. DEDECCA, C. S. Tempo, trabalho e gênero. São Paulo, 2004. DEMARTINI, Z. B. F.; ANTUNES, F. F. Magistério primário: profissão feminina, carreira masculina. Cadernos de Pesquisa, n. 86, p. 5-14, 1993. DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar: Editora UFPR. n. 24, p. 213-225, 2004. FARIA, T. C. L. Magistério no Brasil: profissão feminina e masculina. Cadernos da Pedagogia. São Carlos, a. 10, v.10, n.19, p. 40-51, jul/dez. 2016. FREITAS, M. T. A. Memória de Professoras: História e Historias. Juiz de Fora: UFJF,2000. GARCIA, M. M. A; HYPOLITO, A. M.; VIEIRA, J. S. As identidades docentes como fabricação da docência. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 45-56, jan/abr 2005 GILLIGAN, C. Uma voz diferente: psicologia da diferença entre homens e mulheres da infância à idade adulta. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1982. GUNTHER, H. Como elaborar um questionário (Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, Nº 01). UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental, Brasília, 2003. URL: .www.psiambiental.net/pdf/01Questionario.pdf INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo Escolar, 2018. Brasília: MEC, 2019. KOZELSKI, A. C. Professor: uma carreira em extinção ou falta de motivação? Revista Intersaberes, Curitiba, v. 9, n.17, p.178-188, jan/ jun. 2014. LAPO, F. R.; BUENO, B. O. Professores, desencanto com a profissão e abandono do magistério. Cadernos de Pesquisa, n. 118, mar. 2003. LAPO, F. R.; BUENO, B. O. O abandono do Magistério: vínculos e rupturas com o trabalho docente. Psicologia USP, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 243-276. 2002. LIMA, A. M. Feminização do trabalho docente. XXVIII Simpósio Nacional de História. Florianópolis, SC. 27 a 31 de julho de 2015. LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação. 14ª Ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2012. LOURO, G. l. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, M. D. História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, p. 443-481, 2007. LOURO, G. L. Gênero e magistério: identidade, história, representação. In: CATANNI, D. Docência, memória e gênero. Estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras Editora, 1997. MAY, T. Pesquisa social: questões, métodos e processos. Porto Alegre: Artmed, 2004. MELNIKOFF, R. A. A; MELNIKOFF, E. A. A. Professora, professorinha primeira profissão que legitima a mulher no século XIX. In: IV CONGRESSO SERGIPANO DE HISTÓRIA & IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA DA ANPUH/SE: o cinquentenário do golpe de 64. Aracaju, 21 a 24 de outubro de 2014. MOSQUERA, J. J.; STOBÄUS, C. D. Educação para a saúde. Porto Alegre: DC Luzzatto, 1984. In: SANTOS, B. S.; ANTUNES, D. D.; BERNARDI, J. O docente e suas subjetividades nos processos motivacionais. Educação, Edipucrs, Porto Alegre, Educação, a. 31, v. 31, p. 46-53, 2008. NÓVOA. A. Os professores e a sua formação. Lisboa, Dom Quixote: 1992. OLIVEIRA, P. R. Os processos de feminização e de feminilização do magistério do Brasil. In: Congresso de pesquisa e extensão e da semana de ciências sociais da UEMG/Barbacena. Anais do Congresso de Pesquisa e Extensão e da Semana de Ciências Sociais da UEMG/Barbacena, v.2, 2015. OLIVEIRA, T.; VIANA, A. P. S.; BOVETO, L.; SARACHE, M. V. Escola, conhecimento e formação de pessoas: considerações históricas. Politicas Educativas, Porto Alegre, v. 06, n. 02, p. 145-160, 2013. PRIORI, M. D. História das Mulheres no Brasil. 7ª ed. São Paulo: Contexto, 2007. RABELO, A. O. “Eu gosto de ser professor e gosto de crianças” - A escolha profissional dos homens pela docência na escola primária. Revista Lusófona de Educação, n. 15, 163-173, 2010. RABELO, Amanda Oliveira. A mulher e docência: historicizando a feminização do magistério. Revista do Mestrado de História, Vassouras, v. 9, n. 9, p. 41-53, 2007. RABELO, A. O. A memória das normalistas do IESK de Campo Grande/RJ. 124f. Dissertação de Mestrado – Mestrado em Memória Social e Documento, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Rio de Janeiro, 2004. SAFIOTTI. H. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular, 2013. SANTOS, B. S. D.; RODENBUSCH, C. d. B.; ANTUNES, D. D. Aspectos motivacionais da profissão docente universitária. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, v.10, n. esp., p.294-312, out. 2009 SANTOS, B. S. D.; ANTUNES, D. D.; BERNARDI, J. O docente e suas subjetividades nos processos motivacionais. Educação, Edipucrs, Porto Alegre, a.31, v. 31, p. 46-53, 2008. SANTOS, F. M. T.; GRECA, I. M. Metodologias de pesquisa no ensino de ciências na América Latina: como pesquisamos na década de 2000. Ciência & Educação, v. 19, n. 1, p. 15-33, 2013. SANTOS, P. I.; MACHADO, L. B. Entre a vocação e os desafios: as representações sociais do ser professor. RPD – Revista Profissão Docente, Uberaba, v.10, n. 21, p. 127-148, jan/jun. 2010. SOUZA, E. R. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. Cadernos Pagu, Campinas, v.17, n. 18, p. 379-387, 2002. TARTUCE, G. L. B. P.; NUNES, M. M. R. Alunos do ensino médio e atratividade da carreira docente no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.140, p. 445-477, mai/ago. 2010. TELLES, A. M. V.; SILVA, J. C. História da Educação: Curso de pedagogia da Unioeste no contexto da feminilização do Magistério (1970-1990). Seminário de Pesquisa do PPE: Universidade Estadual de Maringá, 12 a 14 de junho de 2013. VENTURINI, A. M.; THOMASI, K. B. A feminilização na educação infantil: uma questão de gênero. Revista Científica Digital da FAETEC: EDU. TEC, 8ª edição, a. 5, v. 1, n. 1, 2013. VIANNA, C. P. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, Campinas, v.17, n.18 p.81-103, 2002. WOLFF, C. S. Profissões, trabalhos: coisas de mulheres. Rev. Estudos Feministas, Florianópolis, v.18, n. 2, p. 503-506, mai/ago. 2010. XAVIER, L. N. A Construção social e histórica da profissão docente. Rev. Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 19, n. 59, p. 827-849, out/dez. 2014. ZIBETTI, M. L. T. O que pensam professoras de educação infantil sobre a feminização da profissão docente? In: Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação – ANPEd, Anais Constituição Brasileira, Direitos Humanos e Educação. Rio de Janeiro: ANPED, 2007.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/1471
Issue Date: 3-Aug-2019
Appears in Collections:Especialização em Ensino de Ciências da Natureza e Educação Matemática

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
mon_Especializacao_Lavine_Jordane_Queiroz_de_Azevedo_FEMINIZAÇÃO_DA_EDUCAÇÃO (2).pdfTrabalho de Conclusão de Curso2 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.