Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/1456
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1Vale, Luís Sérgio Rodrigues-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6460526012978279pt_BR
dc.contributor.referee1Pereira, Débora Regina Marques-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3530294444525862pt_BR
dc.contributor.referee2Silva, Luciana Borges-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/6316109119554289pt_BR
dc.creatorBueno, Jackson Jordão Teixeira-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/8315414898151808pt_BR
dc.date.accessioned2020-12-04T19:51:59Z-
dc.date.available2020-12-04T19:51:59Z-
dc.date.issued2020-11-06-
dc.identifier.citationAMARO, H. T. R.; DAVID, A. M. S. S.; ASSIS, M. O.; RODRIGUES, B. R. A.; CANGUSSÚ, L. V. S.; OLIVEIRA, M. B. Testes de vigor para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de feijoeiro. Revista de Ciências Agrárias, 2015, 38(3): 383-389. ARAUJO, R. S. et al. Cultura do feijoeiro comum no Brasil. Piracicaba –SP: Potafos. 1996, 786p. BERTOLIN, D. C.; SÁ, M. E.; MOREIRA, E. R. Parâmetros do teste de envelhecimento acelerado para determinação do vigor de sementes de feijão. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 33, n. 1, p. 104-112, 2011. BRAGANTINI, C. Alguns aspectos do armazenamento de sementes e grãos de feijão. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 2005. 28p. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 45, de 17 de setembro de 2013. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 183, 20 set. 2013. Seção 1, p. 6-27. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395p. CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588p. CATÃO, H. C. R. M.; VALADARES, S. V.; MAGALHÃES, H. M. et al. Qualidade sanitária de sementes de milho crioulo (Zea mays L.) produzidas no município de Porteirinha-MG, Revista Brasileira de Agroecologia, Porto alegre, v. 2, n. 2. 253-256, 2007. CHAVES, M. O.; BASSINELLO, P. Z. O feijão na alimentação humana. In.: GONZAGA, A. C. O. Feijão: O produtor pergunta, a Embrapa responde. Coleção 500 perguntas 500 respostas. 2ª Edição revista e atualizada. Embrapa, Brasília, DF, 2014. COELHO, C. M. M. et al. Potencial fisiológico em sementes de cultivares de feijão crioulo (Phaseolus vulgaris L.). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 32, n. 3, p.97-105, 2010. 19 CONAB. Acompanhamento da safra brasileira. Dezembro de 2020.. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos/monitoramento-agricola. Acesso em 02 de dezembro de 2020. DIDONET, A. D.; CARVALHO, M. A. F. Fisiologia. In.: GONZAGA, A. C. O. Feijão: O produtor pergunta, a Embrapa responde. Coleção 500 perguntas 500 respostas. 2ª Edição revista e atualizada. Embrapa, Brasília, DF, 2014. ELLIS, R. H. The effects of differences in seed quality resulting from priming or deterioration on the relative growth rate of onion seedlings. Acta Horticulturae, v. 253, p. 203-212, 1989. EVANGELISTA, M. L. A.; LIMA JÚNIOR, A. F.; OLIVEIRA, I. P.; BRITO, G. S.; SILVA, M. C.; COSTA, R. F. Avaliação do tempo de germinação de diferentes Variedades de feijão carioca cultivada na região do Centro-oeste do brasil. Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 5, 2015, p (86-139), 2014 ISSN 18088597. FERREIRA, D. F. Sisvar: A computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v.35, p.1039-1042, 2011. FORNASIERI-FILHO, D. et al. Efeito do tamanho da sementes e de doses de fungicida na qualidade fisiológica de sementes de feijoeiro. In: REUNIÃO NACIONAL DE FEIJÃO, 5., 14 a 18 out. 1996, Goiânia. Anais... Goiânia: EMBRAPA/CNPAF, 1996. p. 512-514. INTERNATIONAL SEED TESTING ASSOCIATION. Germination. In: ISTA. International Rules for Seed Testing. Bassersdorf: ISTA, 2004. p.5.1- 5.5; 5A.1- 5A.50. KRZYZANOWSKI, F. C.; FRANÇA NETO, J. B.; COSTA, N. P. Efeito da classificação de sementes de soja por tamanho sobre sua qualidade e a precisão de semeadura. Revista Brasileira de Sementes, v.13, p.59-68, 1991. KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. 218p. LOBO JÚNIOR, M.; BRANDÃO, L. T. D.; MARTINS, B. E. M. Testes para avaliação da qualidade de sementes de feijão comum. EMBRAPA. Circular técnica 90. Santo Antônio de Goiás – Goiás. Outubro, 2013. ISSN 1678-9636. 20 MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 1, jan./feb. 1962. 176-177p. MAIA, L. G. S. et al. Variabilidade genética associada à germinação e vigor de sementes de linhagens de feijoeiro comum. Ciência Agrotecnologia, Lavras, v. 35, n. 2, p. 361-367, 2011. MARCOS FILHO, J. Fisiologia de Sementes de Plantas Cultivadas. 1. ed. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495 p. MEDEIROS FILHO, S.; TEÓFILO, E. M. Tecnologia de produção de sementes. In: FREIRE FILHO, F. R.; ARAUJO LIMA, J. A.; RIBEIRO, V. Q. (Eds.). Feijão-caupi: avanços tecnológicos. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2005. p. 449-519. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Padrões para produção e comercialização de sementes de soja. Anexo XII. Brasília: MAPA, 2005. MOREIRA, J. A. A.; STONE, L. F; BIAVA, M. Feijão – O produtor pergunta a Embrapa responde. Coleção 500 perguntas – 500 respostas. Embrapa Informação Tecnológica. Brasília – DF. 2003. OLIVO, F. et al. Espessura do tegumento e qualidade física e fisiológica de sementes de feijão. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. Grupo Verde de Agricultura Alternativa, v. 6, n. 1, p. 89-88, 2011. POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. 2 ed. Brasília: AGIPLAN, 1985. 289p. RIBEIRO, N. D. et al. Desempenho agronômico e qualidade de cozimento de linhagens de feijão de grãos especiais. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 45, n. 1, p. 92-100, 2014. SANTOS, C. M. R.; MENEZES, N. L. de; VILLELA, F. A. Modificações fisiológicas e bioquímicas em sementes de feijão no armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, v.27, p.104-114, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222005000100013. SANTOS, M. P. et al. Desempenho de sementes de quatro cultivares de feijão (Phaseolus vulgaris L.) na microregião de Ceres – GO. Global Science and Technology. V8, p.41-49, 2015. 21 SILVA, G. C. et al. Qualidade fisiológica e sanitária de sementes de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) provenientes do estado de Goiás. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 29, n. 1, p. 29-34, 2008. SILVA, S. C.; DIDONET, A. D.; MORAIS, A. C. Clima. In.: GONZAGA, A. C. O., Feijão: O produtor pergunta, a Embrapa responde. Coleção 500 perguntas 500 respostas. 2ª Edição revista e atualizada. Embrapa, Brasília, DF, 2014. SMANIOTTO, T. A. de S. et al. Qualidade fisiológica das sementes de soja armazenadas em diferentes condições. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.18, p.446-453, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662014000400013. SOARES JÚNIOR, M. S. et al. Características físicas, químicas e sensoriais de feijões crioulos orgânicos, cultivados na região de Goiânia-GO. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Mossoró, v. 7, n. 3, p.109-118, 2012. VIEIRA, E. H. N.; RAVA, C. A. (Ed.). Sementes de feijão: produção e tecnologia. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 2000. 270 p. ZUCARELI, C. et al. Qualidades fisiológicas de sementes de feijão carioca armazenadas em diferentes ambientes. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, PB, UAEA/UFCG – http://www.agriambi.com.br. v.19, n.8, p.803–809, 2015. ISSN 1807-1929. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n8p803-809.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/1456-
dc.description.abstractSeeds are considered to be the most important agricultural input. And for a crop to be successful, seeds are an important part of this process, so the great effort to produce quality seeds, and the success of a crop depends on the quality of the seeds used. Thus, this study aimed to analyze the physical and physiological quality of common bean seeds: BRS Agreste, BRS Esteio, BRS Realce and BRS Pitanga. The analyzed variables were germination pattern, electrical conductivity of seeds, emergence speed index (IVE), degree of humidity, thousand seed mass and seedling dry mass. The cultivar BRS Pitanga showed the highest results for TPG in the laboratory. The cultivars BRS Realce and BRS Agreste had lower content of salts in solution, and have greater vigor for the EC. The cultivar BRS Realce had the highest seed mass. The cultivars BRS Pitanga, BRS Agreste and BRS Realce presented the degree of humidity closest to that recommended for storage. All treatments for Emergency in the Field were superior to the TPG test in the laboratory. The cultivars BRS Agreste and BRS Esteio were the ones that emerged more quickly, showing greater vigor. The cultivars BRS Pitanga, BRS Agreste and BRS Esteio showed greater vigor for the dry mass of seedlings.pt_BR
dc.description.resumoAs sementes são consideradas como o mais importante insumo agrícola. E para uma lavoura ter sucesso as sementes são parte importante nesse processo, por isso, o grande esforço para se produzir sementes de qualidade, sendo que o sucesso de um cultivo depende da qualidade das sementes utilizadas. Assim o presente trabalho teve como objetivo analisar a qualidade física e fisiológica de sementes de cultivares de feijoeiro-comum: BRS Agreste, BRS Esteio, BRS Realce e BRS Pitanga. As variáveis analisadas foram teste padrão de germinação, condutividade elétrica de sementes, índice de velocidade de emergência (IVE), grau de umidade, massa de mil sementes e massa seca de plântulas. A cultivar BRS Pitanga apresentou maior resultado para TPG em laboratório. As cultivares BRS Realce e BRS Agreste apresentaram menor conteúdo de sais em solução, e possuem maior vigor para a CE. A cultivar BRS Realce apresentou a maior massa de sementes. As cultivares BRS Pitanga, BRS Agreste e BRS Realce apresentaram o Grau de Umidade mais próximo do recomendado para o armazenamento. Todos os tratamentos para a Emergência em Campo foram superiores ao teste de TPG em laboratório. As cultivares BRS Agreste e BRS Esteio foram as que emergiram mais rapidamente, apresentando maior vigor. As cultivares BRS Pitanga, BRS Agreste e BRS Esteio apresentaram maior vigor para a massa seca de plântulas.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by Jackson Jordão Teixeira Bueno (jackson.jordao@estudante.ifgoiano.edu.br) on 2020-12-04T18:55:12Z No. of bitstreams: 1 tcc_Jackson Jordão.pdf: 711979 bytes, checksum: ec292a2507ad046ca134ccd83ae1c4e9 (MD5)en
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Johnathan Diniz (johnathan.diniz@ifgoiano.edu.br) on 2020-12-04T19:47:10Z (GMT) No. of bitstreams: 1 tcc_Jackson Jordão.pdf: 711979 bytes, checksum: ec292a2507ad046ca134ccd83ae1c4e9 (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2020-12-04T19:51:59Z (GMT). No. of bitstreams: 1 tcc_Jackson Jordão.pdf: 711979 bytes, checksum: ec292a2507ad046ca134ccd83ae1c4e9 (MD5) Previous issue date: 2020-11-06en
dc.languageporpt_BR
dc.publisherInstituto Federal Goianopt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentCampus Cerespt_BR
dc.publisher.initialsIF Goianopt_BR
dc.relationRecursos Próprios.pt_BR
dc.relation.referencesAMARO, H. T. R.; DAVID, A. M. S. S.; ASSIS, M. O.; RODRIGUES, B. R. A.; CANGUSSÚ, L. V. S.; OLIVEIRA, M. B. Testes de vigor para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de feijoeiro. Revista de Ciências Agrárias, 2015, 38(3): 383-389. ARAUJO, R. S. et al. Cultura do feijoeiro comum no Brasil. Piracicaba –SP: Potafos. 1996, 786p. BERTOLIN, D. C.; SÁ, M. E.; MOREIRA, E. R. Parâmetros do teste de envelhecimento acelerado para determinação do vigor de sementes de feijão. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 33, n. 1, p. 104-112, 2011. BRAGANTINI, C. Alguns aspectos do armazenamento de sementes e grãos de feijão. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 2005. 28p. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 45, de 17 de setembro de 2013. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 183, 20 set. 2013. Seção 1, p. 6-27. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395p. CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588p. CATÃO, H. C. R. M.; VALADARES, S. V.; MAGALHÃES, H. M. et al. Qualidade sanitária de sementes de milho crioulo (Zea mays L.) produzidas no município de Porteirinha-MG, Revista Brasileira de Agroecologia, Porto alegre, v. 2, n. 2. 253-256, 2007. CHAVES, M. O.; BASSINELLO, P. Z. O feijão na alimentação humana. In.: GONZAGA, A. C. O. Feijão: O produtor pergunta, a Embrapa responde. Coleção 500 perguntas 500 respostas. 2ª Edição revista e atualizada. Embrapa, Brasília, DF, 2014. COELHO, C. M. M. et al. Potencial fisiológico em sementes de cultivares de feijão crioulo (Phaseolus vulgaris L.). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 32, n. 3, p.97-105, 2010. 19 CONAB. Acompanhamento da safra brasileira. Dezembro de 2020.. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos/monitoramento-agricola. Acesso em 02 de dezembro de 2020. DIDONET, A. D.; CARVALHO, M. A. F. Fisiologia. In.: GONZAGA, A. C. O. Feijão: O produtor pergunta, a Embrapa responde. Coleção 500 perguntas 500 respostas. 2ª Edição revista e atualizada. Embrapa, Brasília, DF, 2014. ELLIS, R. H. The effects of differences in seed quality resulting from priming or deterioration on the relative growth rate of onion seedlings. Acta Horticulturae, v. 253, p. 203-212, 1989. EVANGELISTA, M. L. A.; LIMA JÚNIOR, A. F.; OLIVEIRA, I. P.; BRITO, G. S.; SILVA, M. C.; COSTA, R. F. Avaliação do tempo de germinação de diferentes Variedades de feijão carioca cultivada na região do Centro-oeste do brasil. Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 5, 2015, p (86-139), 2014 ISSN 18088597. FERREIRA, D. F. Sisvar: A computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v.35, p.1039-1042, 2011. FORNASIERI-FILHO, D. et al. Efeito do tamanho da sementes e de doses de fungicida na qualidade fisiológica de sementes de feijoeiro. In: REUNIÃO NACIONAL DE FEIJÃO, 5., 14 a 18 out. 1996, Goiânia. Anais... Goiânia: EMBRAPA/CNPAF, 1996. p. 512-514. INTERNATIONAL SEED TESTING ASSOCIATION. Germination. In: ISTA. International Rules for Seed Testing. Bassersdorf: ISTA, 2004. p.5.1- 5.5; 5A.1- 5A.50. KRZYZANOWSKI, F. C.; FRANÇA NETO, J. B.; COSTA, N. P. Efeito da classificação de sementes de soja por tamanho sobre sua qualidade e a precisão de semeadura. Revista Brasileira de Sementes, v.13, p.59-68, 1991. KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. 218p. LOBO JÚNIOR, M.; BRANDÃO, L. T. D.; MARTINS, B. E. M. Testes para avaliação da qualidade de sementes de feijão comum. EMBRAPA. Circular técnica 90. Santo Antônio de Goiás – Goiás. Outubro, 2013. ISSN 1678-9636. 20 MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 1, jan./feb. 1962. 176-177p. MAIA, L. G. S. et al. Variabilidade genética associada à germinação e vigor de sementes de linhagens de feijoeiro comum. Ciência Agrotecnologia, Lavras, v. 35, n. 2, p. 361-367, 2011. MARCOS FILHO, J. Fisiologia de Sementes de Plantas Cultivadas. 1. ed. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495 p. MEDEIROS FILHO, S.; TEÓFILO, E. M. Tecnologia de produção de sementes. In: FREIRE FILHO, F. R.; ARAUJO LIMA, J. A.; RIBEIRO, V. Q. (Eds.). Feijão-caupi: avanços tecnológicos. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2005. p. 449-519. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Padrões para produção e comercialização de sementes de soja. Anexo XII. Brasília: MAPA, 2005. MOREIRA, J. A. A.; STONE, L. F; BIAVA, M. Feijão – O produtor pergunta a Embrapa responde. Coleção 500 perguntas – 500 respostas. Embrapa Informação Tecnológica. Brasília – DF. 2003. OLIVO, F. et al. Espessura do tegumento e qualidade física e fisiológica de sementes de feijão. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. Grupo Verde de Agricultura Alternativa, v. 6, n. 1, p. 89-88, 2011. POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. 2 ed. Brasília: AGIPLAN, 1985. 289p. RIBEIRO, N. D. et al. Desempenho agronômico e qualidade de cozimento de linhagens de feijão de grãos especiais. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 45, n. 1, p. 92-100, 2014. SANTOS, C. M. R.; MENEZES, N. L. de; VILLELA, F. A. Modificações fisiológicas e bioquímicas em sementes de feijão no armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, v.27, p.104-114, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222005000100013. SANTOS, M. P. et al. Desempenho de sementes de quatro cultivares de feijão (Phaseolus vulgaris L.) na microregião de Ceres – GO. Global Science and Technology. V8, p.41-49, 2015. 21 SILVA, G. C. et al. Qualidade fisiológica e sanitária de sementes de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) provenientes do estado de Goiás. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 29, n. 1, p. 29-34, 2008. SILVA, S. C.; DIDONET, A. D.; MORAIS, A. C. Clima. In.: GONZAGA, A. C. O., Feijão: O produtor pergunta, a Embrapa responde. Coleção 500 perguntas 500 respostas. 2ª Edição revista e atualizada. Embrapa, Brasília, DF, 2014. SMANIOTTO, T. A. de S. et al. Qualidade fisiológica das sementes de soja armazenadas em diferentes condições. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.18, p.446-453, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662014000400013. SOARES JÚNIOR, M. S. et al. Características físicas, químicas e sensoriais de feijões crioulos orgânicos, cultivados na região de Goiânia-GO. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Mossoró, v. 7, n. 3, p.109-118, 2012. VIEIRA, E. H. N.; RAVA, C. A. (Ed.). Sementes de feijão: produção e tecnologia. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 2000. 270 p. ZUCARELI, C. et al. Qualidades fisiológicas de sementes de feijão carioca armazenadas em diferentes ambientes. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, PB, UAEA/UFCG – http://www.agriambi.com.br. v.19, n.8, p.803–809, 2015. ISSN 1807-1929. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n8p803-809.pt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectCondutividade. Germinação. Massa. Phaseolus vulgaris L. Umidade.pt_BR
dc.subjectConductivity. Germination. Humidity. Mass Phaseolus vulgaris L.pt_BR
dc.subject.cnpqCIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::FITOTECNIA::PRODUCAO E BENEFICIAMENTO DE SEMENTESpt_BR
dc.titleQUALIDADE DE SEMENTES DE CULTIVARES DE FEIJÃO COMUMpt_BR
dc.title.alternativeSeed quality of common bean cultivarspt_BR
dc.typeTrabalho de Conclusão de Cursopt_BR
Appears in Collections:Bacharelado em Agronomia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tcc_Jackson Jordão.pdfTcc - Jackson Jordão - QUALIDADE DE SEMENTES DE CULTIVARES DE FEIJÃO COMUM695,29 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

Admin Tools