Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/45
metadata.dc.type: Dissertação
Title: LIBERAÇÃO CONTROLADA E FOTODEGRADAÇÃO DE AGROQUÍMICOS
metadata.dc.creator: Campos, Flávio Arantes
metadata.dc.contributor.advisor1: Aguiar, Ana Carolina Ribeiro
metadata.dc.contributor.referee1: Andrade, Rômulo Davi Albuquerque
metadata.dc.contributor.referee2: Nunes, Eloíza da Silva
metadata.dc.contributor.referee3: Aguiar, Ana Carolina Ribeiro
metadata.dc.description.resumo: Os agroquímicos representam os produtos mais amplamente encontrados em águas superficiais e subterrâneas do mundo todo, em função do amplo uso em áreas agrícolas e urbanas. A atrazina é um herbicida potencialmente tóxico, carcinogênico e mutagênico e tem sido relatada, em inúmeros trabalhos, sua presença em fontes de água, pela sua persistência e mobilidade. Levando em consideração esse pressuposto, no presente trabalho foi avaliada a degradação da atrazina em solução aquosa e em solução de quitosana, utilizando catalisadores nanoestruturados de TiO2, ZnO e TiO2/ZnO. Nas amostras suportadas em quitosana, foi avaliada também a liberação controlada do herbicida. Para a degradação, a metodologia utilizada foi a da fotocatálise heterogênea, e a fotodegradação foi analisada no intervalo de 0 a 100 min. A fotocatálise da atrazina, na presença de quitosana, mostrou que a degradação do herbicida ocorreu de forma menos significativa quando foram utilizados catalisadores nanoparticulados. O potencial de ancoramento e a liberação de atrazina do biopolímero foram avaliados pela liberação controlada durante 56 dias e, com os resultados obtidos neste trabalho, evidenciou-se que a quitosana se mostrou um biopolímero aplicável em estudos de ancoramento e liberação controlada desse herbicida. A degradação fotocatalítica de atrazina em água foi investigada utilizando os mesmos catalisadores, que apresentaram escala nanométrica, o que foi confirmado nos resultados de difração de raios-X (DRX) e microscopia eletrônica de varredura (MEV). O processo foi monitorado usando espectroscopia de absorção na região do ultravioleta e visível (UV-Vis) e cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE). A diminuição da absorbância no comprimento de onda específico da atrazina foi observada durante o período de irradiação das amostras para todos os catalisadores. As análises de CLAE apresentaram redução significativa deste herbicida e formação de outros compostos como subprodutos da degradação. A utilização do catalisador de ZnO foi mais eficaz na degradação da molécula de atrazina em comparação com outras nanopartículas.
Abstract: Agrochemicals represent the most widely products found in surface water and groundwater around the world, due to the widespread use in agricultural and urban areas. Atrazine is a herbicide potentially toxic, carcinogenic and mutagenic and has been reported in numerous studies its presence in water sources due to their persistence and mobility. Taking into account this assumption, the present study evaluated the degradation of atrazine in aqueous solution and chitosan solution, using nanostructured catalysts TiO2, ZnO and TiO2/ZnO. In samples supported on chitosan, it was also evaluated controlled release of the herbicide. For degradation, heterogeneous photocatalysis methodology was used, and photodegradation was analyzed in the range 0 to 100 min. The photocatalysis of atrazine in the presence of chitosan demonstrated that the herbicidal degradation occurred significantly less when using the catalyst nanoparticle. The potential for anchoring and the release of atrazine biopolymer for controlled release were evaluated for 56 days, and the results of this study revealed that the chitosan has proved to be an applicable biopolymer in anchoring studies and controlled release of this herbicide. The photocatalytic degradation of atrazine in water was investigated using the same catalysts that showed nanoscale, which was confirmed in the results of X-ray diffraction (XRD) and scanning electron microscopy (SEM). The process was monitored using absorption spectroscopy in the ultraviolet and visible (UVVis) and high-performance liquid chromatography (HPLC). The decrease in absorbance at a specific wavelength of atrazine was observed during the irradiation of samples for all catalysts. The HPLC analysis showed a significant reduction of the herbicide and the formation of other compounds as degradation products. The use of ZnO catalyst was more effective in the degradation of atrazine molecule opposite the other nanoparticles.
Keywords: Atrazina
Fotocatálise
Liberação controlada
Quitosana
Atrazine
Photocatalysis
Controlled release
Chitosan
metadata.dc.subject.cnpq: CIENCIAS AGRARIAS
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Instituto Federal Goiano
metadata.dc.publisher.initials: IF Goiano
metadata.dc.publisher.department: Campus Rio Verde
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Agroquímica
Citation: CAMPOS, Flávio Arantes. Liberação controlada e fotodegradação de agroquímicos. 2016. 88 f. Dissertação (Mestrado em Agroquímica)— Instituto Federal Goiano, Campus Rio Verde, 2016.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/45
Issue Date: 25-Feb-2016
Appears in Collections:Mestrado em Agroquímica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017-04-03-04-47-05LIBERAÇÃO Dissertação Flávio Arantes Campos.pdf1,77 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.